class-header-multimedia
Documentário - "Why Beauty Matters" - Roger Scruton discute visão modernista sobre a arte
class-header-3d
Crime e Castigo - obra de Fiódor Dostoiévski, adaptada pela BBC para a televisão
class-header-performance
Almirante iraniano ameaça "afundar navios de guerra dos Estados Unidos" no Golfo Pérsico

sábado, 16 de setembro de 2017

Pintor afirma que "arte moderna se tornou idiota, sem sentido e puramente ofensiva"

Em vídeo publicado no canal PragerU, do Youtube, o artista americano Robert Florczak teceu críticas severas ao relativismo estético e à arte moderna, que, em sua opinião, "substituíram a busca pela excelência técnica pela exposição pura e simples de estupidez, atos sem sentido ou gestos puramente ofensivos". Florczak afirma que o movimento que originou as atuais correntes chamadas "desconstrucionistas" são a consequência lógica das primeiras manifestações contrárias à competência técnica nas artes, que foram demonstradas por artistas ainda no Século XIX. O vídeo foi disponibilizado com legendas em português pelo canal Tradutores de Direita ontem, do Youtube.

Para Robert Florczak, "os métodos dos grandes artistas do passado foram a busca pelos mais altos padrões de excelência, melhorar a qualidade técnica de cada geração anterior de mestres e, em geral, tentar alcançar a maior qualidade possível, em seu tempo. Na passagem para e ao longo do século XX, a procura pela complexidade e profundidade espiritual, pela inspiração elevada e pela beleza foi substituída pela busca da novidade, do 'diferente' e da feiura. Os artistas de hoje entendem a estupidez, a falta de sentido e qualquer manifestação puramente ofensiva como 'o melhor' da modernidade".

A crítica de Florczak segue o raciocínio também exposto por Roger Scruton, que demonstra, em seu argumento para o documentário Why Beauty Matters, que a arte foi substituída por demonstrações simples do ridículo, da deformação estética, da incompetência técnica e de protestos sem sentido. Scruton aponta, como exemplo, a obra de Marcel Duchamp. Robert Florczak declara: "enquanto grandes mestres do passado presentearam o mundo com obras-primas esculpidas em pedra, o atual museu de Los Angeles apresenta apenas uma pedra [não uma estátua: uma rocha diretamente retirada de uma pedreira, sem qualquer entalhe ou trabalho de natureza artística], e tenta convencer o público de que essa pedra é 'arte'. Os nossos padrões de julgamento conseguiram cair a tal situação. Como isso pode acontecer? Como os esforços artísticos de toda a humanidade, ao longo de milhares de anos, morreram?".

Florczak argumenta que a morte da arte não ocorreu de fato, mas é apenas um sintoma da influência de um movmento artístico de destruição da competência técnica, iniciado no Século XIX e que ganhou força ao longo do Século XX. Hoje, os mais claros sintomas da decadência intelectual da classe artística estão demonstrados pela arte pós-moderna ou contemporânea.

Veja na íntegra - Robert Florczak comenta a decadência da competência técnica nas artes, por influência do modernismo. Vídeo disponibilizado com legendas em português pelo canal Tradutores de Direita, do Youtube:



Mais sobre o tema - canal Terça Livre denuncia exposição pós-modernista que faz apologia da zoofilia e pedofilia:



quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Ben Shapiro - politicamente correto faz "sentimentos serem mais importantes do que a realidade"

Em vídeo publicado pelo canal PragerU, no Youtube, o líder conservador norte-americano Ben Shapiro comentou a conduta dos militantes do movimento "politicamente correto" - de acordo com o colunista, os simpatizantes da ideologia forçam as administrações de instituições de ensino ou mesmo o governo a adotarem "medidas baseadas em 'sentimentos', e não em fatos objetivos". Shapiro argumenta que toda e qualquer percepção de "opressão", quando relatada pelo movimento, leva os simpatizantes a exigirem mudanças em leis ou regulamentos, ainda que os problemas "denunciados" não existam de fato. O vídeo de Ben Shapiro foi disponibilizado com legendas em português, no último dia 11, pelo canal Tradutores de Direita.

O jornalista conservador, que contribuiu para o portal de notícias Breitbart, afirma que "na Universidade Vanderbilt, em novembro de 2015, centenas de estudantes se ergueram em protesto contra o suposto 'racismo' e 'privilégio' concedidos aos brancos, sem, em qualquer momento, especificar que ato racista teria sido cometido pela instituição ou que benefício teria sido concedido pela mesma aos brancos. Isso, para eles, não importa. O que importa é que eles [os militantes do 'politicamente correto'] se sentem 'vitimizados'".

Shapiro argumenta que, na falta de "provas de racismo", os mesmos estudantes, que protestaram contra o preconceito inexistente na instituição de ensino superior, acusaram a Universidade Vanderbilt de "marginalizar as necessidades dos estudantes com algum tipo de deficiência". Para o jornalista, o movimento de esquerda tenta, a qualquer custo, justificar suas ações, ainda que através da elaboração de mentiras, como a citação de "negligência" ou "micro-agressões" - relatos exagerados sobre situações irrelevantes, transformadas pelo discurso de esquerda em violações indescritíveis dos direitos humanos. Ele declara que, quando os estudantes não conseguiram provar o "racismo", atacaram as políticas da universidades para os deficientes: "É sério - isso não é uma piada. Hoje, nas universidades, sentimentos ditam os fatos e vítimas [de crimes inexistentes] são heróis".

A exposição de Ben Shapiro sobre o discurso da esquerda é similar à feita pelo autor brasileiro Olavo de Carvalho, que argumenta, com base na pesquisa do psiquiatra polonês Andrzej Łobaczewski, que os militantes de esquerda sofrem com a doença chamada de "histeria". A histeria, conforme Łobaczewski, é resultado da submissão dos militantes ao discurso dos líderes de movimentos totalitários (como as correntes do chamado 'politicamente correto' ou os partidos comunistas). Łobaczewski afirma que os líderes dos movimentos políticos de esquerda podem ser, em geral, diagnosticados com psicopatia - são indivíduos que não posuem sentimentos morais - e que os sistemas de controle da conduta coletiva, propagados pela liderança, estabelecidos nos grupos de esquerda induzem os participantes à negação dos fatos percebidos, para favorecimento da ideologia imposta pelo partido.

Veja na íntegra - Ben Shapiro comenta comportamento histérico de simpatizantes do movimento "politicamente correto":


Mais sobre o tema - Olavo de Carvalho discute o papel de lideranças formadas por psicopatas no surgimento de sintomas de histeria nos militantes de esquerda:



domingo, 10 de setembro de 2017

Roger Scruton - "Universidades foram ocupadas com matérias falsas, inventadas a partir da ideologia esquerdista"

O filósofo Roger Scruton fez crítica, em trecho disponibilizado no Youtube, à deformação das matérias de ciências humanas nas universidades do Ocidente - conforme o autor, muitas disciplinas ensinadas atualmente são "temas falsos, inteiramente criados a partir da ideologia de esquerda". De acordo com o autor, a destruição dos currículos das universidades foi feita intencionalmente pelos movimentos totalitários, com o objetivo de "induzir os estudantes às mesmas visões de mundo consideradas 'autorizadas' pelos movimentos de esquerda". O vídeo foi disponibilizado com legendas em português no último dia três, pelo canal Tradutores de Direita.

Para o filósofo, "as universidades foram invadidas por uma nova forma de 'estudo'. Antes, a prática era ensinar temas reconhecidos, com currículos reconhecidos. Você, então, poderia realizar seus estudos, com bolsa, eventualmente, em um dos grandes temas das Ciências Humanas - os estudos em humanidades, antes do fenômeno atual, eram pautados pela liberdade de ideias e pela busca pela verdade. Os estudos também não eram 'condenados', se eventualmente chegassem a conclusões que confrontassem a ideologia dominante na sociedade. Uma das primeiras coisas que acontecem quando um poder totalitário chega ao governo é a 'limpeza' ideológica das universidades".

Roger Scruton afirma que a prática corrente, nos grandes sistemas ideológicos totalitários, é a completa destruição de qualquer pensamento oposicionista dentro dos centros de estudos, escolas e universidades: "isso quer dizer que as pessoas que podem questionar a ideologia dominante serão expulsas. Isso aconteceu quando o nacional-socialismo tomou as universidades alemãs e quando os sovieticos, comunistas, invadiram a Europa Oriental. Em geral, esse é o primeiro movimento realizado por um governo totalitário: acabar com a liberdade intelectual, de estudos, e acabar com a busca pela verdade".

O escritor argumenta que as campanhas da ideologia conhecida como o "politicamente correto" emulam as práticas dos totalitarismos socialistas do Século XX. Há, segundo ele, no Ocidente, uma censura aberta contra a ideologia oficial, de esquerda, e a criação de "matérias falsas", que serviriam para a promoção da uniformidade ideológica, favorável a campanhas como o marxismo econômico, o marxismo cultural (termo utilizado pelo movimento conservador para descrever tática criada por Antonio Gramsci) ou mesmo a ideologia de gênero, imposta por governo e instituições de ensino em países como os Estados Unidos e a Alemanha. Para o filósofo, nessas matérias, "a busca pela verdade se tornou algo secundário. O objetivo claro é a procura por conformidade ideológica, e um exemplo são os 'women studies', que efetivamente são um mecanismo de doutrinação".

Veja na íntegra - Roger Scruton denuncia destruição do conhecimento nas atuais faculdades de Ciências Humanas, no mundo ocidental:



sábado, 9 de setembro de 2017

Ezra Levant - "socialismo é a causa do colapso da Venezuela, e a mídia faz silêncio"

Em vídeo disponibilizado no canal Rebel Media, no Youtube, na última quarta-feira, dia seis, o jornalista Ezra Levant discutiu a atual crise venezuelana e o papel do sistema político e econômico socialista na piora das condições de vida da população, na fome generalizada e nos atos de violência governamental contra opositores do regime. Ezra também questionou a razão do silêncio dos maiores veículos da mainstrem media norte-americana a respeito do fracasso do modelo socialista, em mais um país.

No trecho, Levant entrevistou o economista e analista político Fernando Menendez, que afirma haver uma conexão direta entre os problemas atuais da Venezuela e o histórico de suas políticas econômicas, assim como do modelo "bolivariano" adotado no país - segundo ele, "a crise atual da Venezuela é uma catástrofe fabricada pelo homem, é um desastre que levou uma década para ficar pronto. Você pode chamar isso de 'socialismo do século XXI'. Muitas pessoas não vão se referir ao problema pelo nome, porque simplesmente não querem abandonar os seus ideais [o socialismo], e isso poderá ocorrer com qualquer 'nova versão' desse movimento".

O entrevistado afirma que uma razão para o silêncio da grande mídia a respeito das consequências da ideologia socialista é a "idolatria" de sistemas políticos totalitários, que tem o propósito de "reformar" completamente a sociedade: "eu sou um economista, não um psicólogo. Todavia, existe um traço de adoração [entre integrantes da mainstream media] para com esses indivíduos que tentam exercer controle absoluto sobre o mundo, que tentam fazer uma 're-engenharia' do ser humano. Eles querem praticar a engenharia social, querem fazer uma 'engenharia' dos indivíduos, querem dizer às pessoas o que elas devem fazer. Enquanto você vê um Hugo Chávez, um Fidel Castro ou qualquer um desses ditadores como figuras negativas, a esquerda entende essas personalidades como modelos de conduta - a mesma esquerda não se importa com as condições de vida impostas por eles aos seus 'súditos'. As pessoas submetidas a esses regimes não têm direitos, não têm liberdades e, essencialmente, não têm a possibilidade de viver a vida como bem quiserem".

Ezra Levant destaca, no vídeo, que a crise econômica já levou boa parte da população à perda de peso, em decorrência das difíceis condições alimentares e de abastecimento em geral. O repórter descreve a situação como "pura e simplesmente uma crise de desnutrição, que afeta o país. É horrível. As pessoas literalmente já estão comendo qualquer animal que conseguem encontrar nas ruas".

Veja na íntegra - Ezra Levant comenta a crise na Venezuela e o papel do sistema socialista na piora das condições de vida da população:



quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Joice Hasselmann - "Executivos da JBS podem ir para a cadeia"

Em vídeo disponibilizado em seu canal oficial no Youtube, a jornalista Joice Hasselmann discutiu as declarações do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, sobre possíveis crimes de falsidade ideológica cometidos por executivos da empresa JBS, durante delações dos mesmos para a Operação Lava Jato. Os executivos poderiam ter omitido informações ou até mentido a respeito dos dados divulgados ao Judiciário, no acordo de delação premiada que efetivamente os isentou de uma condenação à prisão.

De acordo com a colunista, "Rodrigo Janot afirmou que irá pedir investigação dos áudios de Joesley Batista e de Wesley Batista, executivos da JBS, para saber se eles omitiram ou mentiram, para a procuradoria geral da república, no acordo de delação 'ultra'-premiada". Hasselmann argumenta que, caso haja comprovação de fraude no acordo, os empresários poderão enfrentar uma condenação, e que as novas investigações podem criar uma situação grave até mesmo para o Procurador-Geral da República: "o resumo é: para Janot, 'a casa caiu'. A mesma coisa vale para Marcelo Miller, braço direito de Janot [Miller poderá ser investigado por crime de improbidade - há suspeita de favorecimento dos executivos que foram isentos de qualquer punição, nos acordos]".

Joice Hasselmann afirma que "o acordo com a JBS só ajudou criminosos. Os executivos foram beneficiados, claramente, em relação ao que foi praticado em outros acordos, com outros delatores. Quantas vezes o próprio Janot saiu em defesa dessa delação indecente, que ele estabeleceu? Qualquer pessoa poderia facilmente perceber que esse acordo foi uma 'malandragem', um acordo com bandidos, para privilegiar o crime. Foi dizer: 'o crime compensa'. Agora, após o impacto negativo criado por essa situação, o procurador diz que 'vai investigar porque parece haver omissão', ou porque 'parece haver mentiras' na delação". A jornalista critica o acordo, destacando que os beneficiados são ligados a "1.800 criminosos, se esta parte do que ele disse for verdade".

Os áudios dos executivos, divulgados recentemente, segundo a colunista, conteriam informações graves que poderiam derrubar até mesmo ministros da mais alta instância do Poder Judiciário do Brasil, o Supremo Tribunal Federal. Apesar da seriedade do tema abordado no arquivo, o áudio, para Hasselmann, "não é conclusivo. Há mais informações que devem circular em breve, envolvendo outros ministros".

Veja na íntegra - Joice Hasselmann comenta possíveis novas investigações sobre fraudes nas delações dos executivos da JBS:



domingo, 3 de setembro de 2017

Dória está isolado no PSDB

De acordo com o jornalista Felipe Moura Brasil, João Dória, prefeito de São Paulo, conta com pouco apoio do PSDB para uma futura candidatura à Presidência da República - o político estaria sendo isolado por figuras tradicionais do partido, que tentam se manter ligadas à ideologia original da organização, associada aos conceitos teóricos da Segunda Internacional Socialista (reformista, em oposição à ideologia da Terceira Internacional, comunista, que encontra mais apoio em partidos como o PT e o PC do B). Dória está, conforme Moura Brasil, procurando concorrer em 2018 como "o candidato anti-establishment", mas que não se compromete com posicionamentos claros de direita, como o líder conservador Jair Bolsonaro.

O colunista afirma que Dória ficou, de sexta-feira até sábado, em Paris, e teve como anfitrião o economista Jacques Attali, "ideólogo do novo presidente francês, Emmanuel Macron. Macron venceu as eleições na França com um discurso de centro, posando de alternativa aos tradicionais partidos, socialista e republicano. O prefeito de São Paulo se inspira e copia algumas posturas dele, para construir uma candidatura à Presidência, com verniz anti-establishment, ocupando um lugar que não é, exatamente, o do partido tucano".

Moura Brasil destaca que o Partido Social-Democrata recusa, até o momento, a hipótese de lançar Dória como presidenciável. O candidato tem mostrado, até o momento, um posicionamento mais favorável às idéias liberais, em economia, enquanto a sigla sempre se manteve próxima de preceitos keynesianos, socialistas ou mesmo demonstrou franco apoio a organizações de extrema-esquerda, como o MST - como, por exemplo, em julho 2000, quando o governo de Fernando Henrique Cardoso autorizou a liberação de 2,1 bilhões de reais para iniciativas do grupo, como noticiado pelos veículos Folha de são Paulo e Radiobras, no dia 4 daquele mês. O PSDB teria a intenção de, ao invés de lançar o "liberal" Dória, promover a candidatura de Alckmin, personagem tradicional da sigla. Apesar do suposto posicionamento de "direita", João Dória é acusado, pelo movimento conservador, de defender políticas como o desarmamento e o aborto, bandeiras consideradas típicas dos partidos de esquerda.

Felipe Moura Brasil destaca que uma possível candidatura de Dória encontra mais apoio em partidos como o DEM: "além deste, PSD, PMDB e PPS vão pressionar o PSDB para que o prefeito seja o escolhido pela legenda, em 2018, em detrimento de Geraldo Alckmin".

Veja na íntegra - Felipe Moura Brasil discute uma possível candidatura de João Dória, como um "presidenciável independente":



sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Alex Jones - "grupos da esquerda pregam o racismo abertamente"

Demonstrações de movimentos da extrema-esquerda norte-americana, como os antifa, estão incluindo de forma cada vez mais aberta o discurso racista - conforme o jornalista Alex Jones, do veículo de comunicação InfoWars, em alguns dos protestos organizados pelo movimento antifa ou mesmo por facções do Partido Democrata, os líderes pregam o "assassinato dos brancos". A extrema-esquerda também estaria incluindo, entre suas palavras de ordem, a apologia da violência física ou dos assassinatos contra integrantes das forças policiais. A reportagem do veículo InfoWars foi disponibilizada hoje, no Youtube.

O repórter declara: "eu desafio qualquer pessoa a fazer uma visita a um dos eventos organizados pelo Partido Democrata. Você poderá ouvir coisas como: 'morte à América', 'vamos matar todos os brancos'. Por mais estranho que seja, isso muitas vezes sai das bocas de militantes de esquerda que são, eles mesmos, brancos. Há relatos de assassinatos motivados por ódio racial, contra pessoas brancas, vindos de todas as partes do país. As vítimas nunca são pessoas das elites econômicas ou políticas - os assassinatos sempre são contra pessoas mais pobres. Grupos de extrema-esquerda estão estimulando literalmente o extermínio físico de seus alvos".

Entre os casos destacados na reportagem, estão os crimes cometidos por Frederick Demond Scott, de vinte e dois anos, que teria sido preso após assassinar praticantes de ciclismo e trekking brancos, no Kansas. A motivação do assassino serial seria "matar todos os brancos". Jones argumenta que a retórica dos movimentos de extrema-esquerda justifica casos de violência racial ou contra policiais como o ocorrido no estado do meio-oeste.

O portal InfoWars já destacou, em outras matérias, a propaganda realizada por movimentos como o antifa - muitas vezes apoiado pela esquerda moderada dos Estados Unidos e por integrantes do Partido Democrata. O grupo faz apologia de agressões contra qualquer pessoa que discorde das visões políticas da esquerda radical, de violência racial contra brancos e do assassinatos contra policiais. O grupo antifa também é responsável pelas tentativas de imposição de censura às palestras do autor Milo Yiannopoulos - judeu e homossexual, que defende as concepções políticas conservadoras, e que é favorável ao governo de Donald Trump.

Mais sobre o tema - canal Rebel Media denuncia antissemitismo em manifestações da esquerda dos Estados Unidos

Veja na íntegra - reportagem do veículo de comunicação norte-americano InfoWars sobre o racismo nos movimentos da extrema-esquerda dos Estados Unidos:



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...